Make your own free website on Tripod.com

                                                   


 

Noções básicas de lógica
 


 

Introdução

   Por que utilizar a Lógica
Argumento
Contradição
Falácia
Argumento válido consistente
Argumento válido mas inconsistente
Argumento baseado em crença

 

 

 

                      Por que utilizar a Lógica  índice

                                                                                                                                    Aristóteles, filósofo grego (384-322 a.C.), foi o fundador da Lógica.

           



   
   A lógica tornou-se uma disciplina praticamente autônoma em relação à filosofia, graças ao seu elevado grau de precisão e tecnicismo.  A lógica elementar é usada como instrumento pela filosofia, para garantir a validade da argumentação.
          É muito comum todos os dias ouvirmos alguém falar que alguma coisa é "lógica" ou "ilógica", porém, pouquíssimas pessoas sabem fazer isso com embasamento.
         Porém, se analisarmos, em todas as épocas da humanidade, quando havia divergências sobre a realidade ou não de algo, verificaremos que o que foi posteriormente aceito por todos como verdade, era, mesmo antes de ser provada pela ciência, a explicação mais lógica (basta lembrar da época em que acreditavam que o Sol girava ao redor da Terra).
          Portanto, a lógica é a única ferramenta que pode nos orientar em direção à verdade, ou o mais próximo possível dela. Sem a lógica, ficamos reféns dos "Donos da verdade", dos dogmas absolutos que não podem jamais ser questionados.        
         No entanto, não é meu objetivo aqui aprofundar-me nos complexos fundamentos da lógica, mas sim apresentar os principais conceitos da lógica elementar,
de forma prática e objetiva, para que os estudiosos possam analisar e entender os argumentos apresentados neste site.


 


 

Argumento  índice

                          


          Um argumento é constituído de Afirmações chamadas "Premissas". Todo argumento deve ter uma conclusão, que deve ser sustentada pelas premissas.
           As premissas podem ser falsas ou verdadeiras.

Exemplo:

     Premissa 1: "Todo ser vivo é mortal"   <Verdadeira>
Premissa 2:  "Pedro é um ser vivo"     <Verdadeira>
Conclusão.: "Pedro é mortal".             <Verdadeira>


Contradição   índice

                     

            Um dos princípios básicos da lógica é a "Lei da não contradição". Ou seja, uma coisa não pode "ser" e "não ser" ao mesmo tempo. Por exemplo, não podemos afirmar que "Deus é justo" e ao mesmo tempo "Deus é injusto"    
            Portanto, contradição é quando se tem duas premissas que anulam a si mesmas, fazendo com que qualquer conclusão a que se chegue, baseada nestas premissas, seja totalmente falsa.

Exemplo:

     Premissa 1: João não tem carro
     Premissa 2: O carro de João é azul

 

Ora, como é que o carro de João é azul se ele não tem carro?



Falácia   
índice

                   


        
Designa-se por falácia  um raciocínio errado com aparência de verdadeiro. O termo falácia deriva do verbo latino "fallere" que significa enganar. As falácias que são cometidas involuntariamente, designam-se por paralogismos; as que  são produzidas de forma a confundir alguém numa discussão designam-se por sofismas
        Na falácia, embora as premissas possam ser verdadeiras, não existe uma inferência lógica entre elas para sustentar a conclusão apresentada.
 
Exemplo:

   Premissa 1: Todos os americanos falam Inglês <Verdadeira>
 
   Premissa 2: José fala inglês   <Verdadeira>
 
 
  Conclusão:  José é americano <Falsa>   

 

             Ou seja, o fato de José falar Inglês não permite concluir que "José é Americano" porque "Nem todos que falam Inglês são americanos"

Outro exemplo:

  Premissa 1: Se a marginal inundar, Julio vai chegar atrasado <Verdadeira>
 
  Premissa 2: Júlio está atrasado   <Verdadeira>
 
  Conclusão: A marginal inundou <Falsa>
  


          No exemplo acima: o fato de Júlio estar atrasado não significa que a marginal inundou, pois ele pode estar atrasado por outro motivo.

Argumento válido Consistente   índice

                       

         Um argumento é considerado válido e consistente quando, além de ter a conclusão verdadeira, a mesma é baseada em premissas verdadeiras.

     Premissa 1: "Todo ser vivo é mortal"   <Verdadeira>
Premissa 2:  "Pedro é um ser vivo"     <Verdadeira>
Conclusão.: "Pedro é mortal".             <Verdadeira>

            É completamente impossível que as premissas 1 e 2 acima sejam verdadeiras e a conclusão falsa. Ora, se Todo ser vivo é mortal e Pedro é um ser vivo, então Pedro com certeza é mortal.

 

Argumento válido mas inconsistente   índice

                         

              É um argumento que tem uma conclusão verdadeira, mas está baseado em premissas falsas. Então a conclusão não pode ser sustentada e ele é considerado "inconsistente".

Ex:
 
Premissa 1: "Todos os chineses são altos" <Falsa>
 Premissa 2:  "John Kennedy era chinês"  <Falsa>
 
 Conclusão.: "John Kennedy era alto ".  <Verdadeira>
 
 

Argumento baseado em crença   índice

              É comum encontrarmos argumentos supostamente "lógicos", porém construído em cima de premissas que somente são verdadeiras para quem nelas acredita.

Ex:
 Premissa 1: "O pecado ofende a Deus"
 Premissa 2: "Uma ofensa a um ser infinito (Deus) deve ter uma punição também infinita
 Conclusão.: "Deus pune os pecadores com a condenação eterna"

          Se este tipo de argumento fosse aceitável, seria possível criarmos qualquer tipo de argumento, com a conclusão que quiséssemos. Bastaria criarmos uma premissa qualquer e dizer que ela é verdadeira. Por exemplo:

       Premissa 1: "Deus é brasileiro"
 Premissa 2: "Deus adora futebol"
 Conclusão.: "Se Deus é brasileiro e adora futebol, o Brasil será campeão mundial!"

Estes tipos de argumentos também são considerados inconsistentes.